APEDE


ME escreve as frases que os professores têm de dizer nas provas de aferição

Posted in Educação por APEDE em 17/05/2009

Mais de 200 mil crianças entre os nove e os 12 anos vão mostrar amanhã e na quarta-feira o que aprenderam em Língua Portuguesa e Matemática mas, para as provas nacionais de aferição do 4.º e 6.º anos, quem precisa de levar cábulas são os professores.

Estas têm a forma de um chamado Manual do Aplicador, através do qual o Ministério da Educação (ME) ensina aos professores o que têm de dizer aos alunos no início, no meio e no final das provas. As ordens do ME são claras: “Não procure decorar as instruções ou interpretá-las, mas antes lê-las exactamente como lhe são apresentadas ao longo deste manual”.

Com contagem de tempo, seguem–se as frases que os docentes deverão ler. São coisas como estas: “Em primeiro lugar, chamo a atenção para o facto de não poderem falar com os vossos colegas” ou “Acabou o tempo. Não podem escrever mais nada. Agora vão ter o intervalo”.

O conjunto preenche oito páginas. “No dia lemos tudinho como está no guião”, confirma Paulo Guinote, autor do blogue Educação do Meu Umbigo e professor de História e Português do 2.º ciclo, que amanhã estará de novo entre os milhares de professores mobilizados para estas provas. A leitura demora tempo, é “entediante” e frequentemente os alunos não entendem o que se pretende. Nestes casos, depois da leitura obrigatória, os professores fazem o seu próprio resumo, com as instruções mais importantes.

Todos os anos são enviadas as mesmas instruções, para serem lidas em todas as escolas, alegadamente para permitir uma situação de igualdade de condições. Para Guinote, esta prática constitui “uma espécie de atestado de menoridade que repetidamente é passado aos professores”.

Provas não são exames

Nas livrarias, por esta altura, não faltam os cadernos de preparação publicados pelas principais editoras escolares. É uma das partes visíveis de um efeito perverso que se tem vindo a consolidar. Professores, pais e alunos tendem a ver estas provas por aquilo que não são: como se fossem exames. Nas escolas, no último período, as aulas vão sendo convertidas em sessões de revisões, o que acaba por comprometer a possibilidade de se chegar ao fim dos programas.

Mesmo quando estes são concluídos, tanto o calendário como o espírito das provas acabam por impor aos professores “estratégias de condensação da matéria no início do 3.º período”, esclarece Guinote: as provas são realizadas em meados de Maio, mas o seu conteúdo recai teoricamente sobre todo um programa que deve estar concluído em meados de Junho.

Apesar de tudo, “são um instrumento útil”, frisa. É o terceiro ano consecutivo em que as provas de aferição, que começaram a realizar-se em 2000, são obrigatórias para todos os alunos do 4.º e 6.º anos. Os seus resultados não contam para a nota dos alunos. As provas são apresentadas como um instrumento para se avaliar competências e, em função disso, adoptar-se medidas de correcção das aprendizagens.

“Leia em voz alta”

Durante o ano, os professores estão na sala com os alunos. Quando chega Maio, o Ministério da Educação transmite-lhes as frases que terão de dizer nas provas de aferição. Alguns exemplos extraídos do chamado Manual do Aplicador:

Primeira parte:

“Leia em voz alta: ‘Agora vou distribuir as provas. Deixem as provas com as capas para baixo’; ‘Podem voltar as provas. Escrevam o vosso nome no espaço destinado ao nome’; ‘Querem perguntar alguma coisa?'”

“Desloque-se pela sala, com frequência”, “Rubrique o enunciado no local reservado para o efeito”.

“Leia em voz alta: ‘Ainda têm 15 minutos’; ‘Acabou o tempo’. ‘Estejam à porta da sala às 11h e 20 minutos em ponto’. ‘Podem sair'”.

Segunda parte:

“Leia em voz alta o seguinte: ‘Agora vão iniciar a segunda parte da prova. Podem começar. Bom trabalho!'”

“Recolha as provas e os rascunhos”. “Mande sair os alunos, lendo em voz alta: ‘Podem sair. Obrigado pela vossa colaboração!'”

Comentário: Quem teve esta magnífica ideia que vá em paz, o mais depressa possível, a um psiquiatra.

Anúncios

2 Respostas to 'ME escreve as frases que os professores têm de dizer nas provas de aferição'

Subscribe to comments with RSS ou TrackBack to 'ME escreve as frases que os professores têm de dizer nas provas de aferição'.

  1. Anonymous said,

    Por que razão estão as salas de aula cheias de projectores multimédia e quadros interactivos? Para preparar a nova tele-escola. Rua com os profs que só dão problemas! Neste exacto momento aposto que há uma comissão de serviço a escrever as frases que os alunos hão-de ler nos Power-Points que nos vão substituir daqui a 2 ou 3 anos.

  2. angelo ochoa said,

    «Tratam professores como robotes…»Eu diria que «abaixo-de-cão…»Provo-o com uma silogística rábula e sem premissa intermédia:Disse a de Lourdes ministrinha eterna:Premissa 1ª:«Perdi os professores, mas ganhei a população!»Logo:E sem premissa intermédia:Se conclui:PROFESSORES NÃO SÃO POPULAÇÃO!Brilhante dica de Lourdinha peso pesado, para quem, pesem embora suas docinhas declarações… de intenção…Professores são choldra abaixo-de-cão.


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: