APEDE


Com que então, sr. ministro Santos Silva, os professores "não estão preocupados com uma agenda política"? Olhe que estão! Olhe que estão!

Posted in Educação por APEDE em 22/05/2009
O Ministro dos Assuntos Parlamentares, Santos Silva, equivoca-se ou finge o incómodo que o Compromisso Educação está a causar ao partido socialista de Sócrates, insinuando que a agenda política não compete aos professores. Não confunda os planos, sr. ministro, pois os professores distinguem muito bem o exercício das suas funções docentes na escola, sem envolvimentos partidários, da sua intervenção política e, se for caso disso, partidária, enquanto profissionais e cidadãos que têm o direito de se oporem àqueles que os afrontaram e injustiçaram.
Pois, fique sabendo sr. ministro, que os professores, desta vez, têm, assumidamente, uma agenda política clara: contribuir, através do seu voto e do voto dos seus familiares e amigos, para derrotarem o PS de Sócrates nos actos eleitorais que se avizinham, de molde a pôr fim a medidas e a políticas que indignaram os professores, que lançaram a arbitrariedade e que degradaram o ambiente que se vive nas escolas. Não considera que é legítimo fazê-lo?
Neste sentido, os professores vão votar e vão apelar ao voto nos partidos políticos que têm vindo a reconhecer e a pugnar, publicamente, pela justeza da contestação dos professores, especificamente, no que diz respeito à revogação da divisão arbitrária da carreira (que apenas serviu para semear discórdia e revolta nas escolas), à substituição de um modelo de avaliação absurdo e desacreditado, bem como ao fim das quotas.
Aliás, muito em breve e no quadro do Compromisso Educação (que lhe deve fazer urticária), o PROmova (e estamos certos que os outros movimentos independentes de professores se associarão a este desígnio) vai identificar em vários distritos do país quem são os deputados que têm defendido as razões e a justiça que os professores reclamam, assim como quem são aqueles que se têm colocado contra os professores. E, acredite, que isto vai fazer toda a diferença nos actos eleitorais que aí vêm.
Quanto à habitual casmurrice do Secretário de Estado, Jorge Pedreira, ao insistir na não suspensão da avaliação, a mesma apenas nos sugere o seguinte comentário: são declarações de um naufrágo que luta, em desespero, mas sem convicção, para que a barcaça, destroçada e cheia de buracos, se aguente apenas mais quatro meses, até às legislativas. Depois, afunda-se a barcaça de vez e o inapto marinheiro vê-se despedido, por força do irreparável prejuízo que causou ao armador.
Já a postura da ministra da Educação, ao afirmar que a avaliação do desempenho dos professores é “uma reforma ganha”, assemelha-se, sem ofensa, a uma espécie de “galinha já sem crista” que, num acto de desespero e face à contestação que se avizinha, se pôs a “cantar de galo”. É ridículo e nada convincente!
Fonte: PROmova
Comentário: É urgente dizer ao senhor ministro que ele está enganado! E não é só os nossos colegas do PROmova que o dizem, não é só os nossos colegas do MUP que o dizem, nós também aqui na APEDE o dizemos a plenos pulmões: Queremos este PS fora do governo porque queremos este PS e esta equipa ministerial fora do Ministério da Educação. Diremos isto as vezes que for necessário!
Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: