APEDE


MANIFESTAÇÃO DE 30 DE MAIO: OBSERVAÇÕES FINAIS

Posted in Educação por APEDE em 31/05/2009

A Manifestação do dia 30 serviu para mostrar que há ainda um número significativo de professores que não estão dispostos a baixar os braços e a dar a luta por terminada.

Neste Sábado, a tarde estava quente e convidava à praia.

Neste final de ano lectivo, o tempo parecia ser de desânimo e convidar à renúncia e à pequena estratégia do cálculo pessoal.

Mas cerca de 60 mil professores preferiram regressar à rua, manifestando uma vez mais a sua dignidade e a determinação em não deixar que este Governo continue a espezinhar os professores e a Escola Pública.

Com eles, estão todos os que se mantiveram firmes na recusa de entrega dos objectivos individuais.

Com eles, estão todos os professores que, ao recusarem entregar a auto-avaliação imposta pelo Ministério, ou ao optarem por entregar uma auto-avaliação alternativa (como a APEDE e outros movimentos têm defendido), afirmam claramente a sua disposição em não pactuar com a farsa do modelo de avaliação em vigor, seja na versão “simplex”, seja na versão “complex” (qualquer uma inadequada e grotesca).

A Manifestação deste Sábado permitiu também mostrar que muitos professores continuam disponíveis para combates futuros e que esperam das direcções sindicais algo mais do que declarações de intenção. Esperam um plano de acções de luta realmente eficazes, que pressionem efectivamente o Ministério e que não se limitem a dar lastro a processos negociais cujo arrastamento só serve os interesses do actual Governo.

Os professores querem mais e necessitam de mais.

Ao invés do que alguns dirigentes sindicais têm vindo a dizer, esta luta dos professores não pode ser encarada como uma luta para muitos anos.

Aquilo que os professores sofrem nas escolas arrasta consigo uma urgência e uma exigência: encontrar formas de luta que obriguem quem está no poder a fazer cedências significativas. Cedências que ainda não foram feitas.

As direcções sindicais começam a reconhecer publicamente que nós, movimentos independentes, somos uma realidade incontornável.

Existimos e vamos permanecer no terreno, dentro das escolas onde trabalhamos, experimentando todos os dias na pele as consequências mais negativas destas políticas catastróficas para o ensino. É por isso que, na nossa bagagem, não há agendas extrínsecas aos interesses dos professores.

Existimos e vamos continuar a ser uma voz crítica e a lançar todas as iniciativas que estiverem ao nosso alcance para que as justas reivindicações dos professores tenham a satisfação pela qual todos ansiamos.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: