APEDE


UM RELATÓRIO ENVIESADO – 1

Posted in Educação por APEDE em 15/07/2009
Os primeiros parágrafos do relatório da OCDE sobre a avaliação dos professores deixam adivinhar o que vem a seguir. Convenhamos que o conteúdo não é propriamente brilhante. Começa por se sugerir uma ligação implícita entre o mau desempenho do sistema educativo português e a inexistência de uma avaliação dos professores nos termos que o Ministério da Educação quer impor. Na prática, isto reproduz as mistificações que o governo foi construindo para legitimar o actual modelo de avaliação. Insinua-se, uma vez mais, que são os professores os principais, se não os únicos, culpados pelo estado catastrófico dos resultados escolares e que, por isso, têm de ser controlados e fiscalizados na sua actuação.

Passa-se, assim, uma esponja pelas responsabilidades que se têm vindo a acumular no sistema de ensino em Portugal e que poucos nomeiam:

a difusão de uma ideologia pedagógica, defendida com unhas e dentes pelos dirigentes políticos do Ministério da Educação, que tem fomentado o facilitismo e o analfabetismo funcional nas últimas décadas;

o esvaziamento do papel do professor enquanto transmissor de conhecimentos e a sua ocupação com pesadas tarefas burocráticas que o afastam, cada vez mais, da essência da sua profissão;

a vulnerabilidade e a crescente insignificância da escola face a uma cultura mediática embrutecedora e estupidificante.

Diga-se, para terminar este ponto, que o segundo parágrafo do relatório da OCDE é um puro e simples insulto aos professores deste país que têm estado, durante estes dois últimos anos lectivos, a combater um modelo de avaliação incompetente e iníquo. No entender dos autores do relatório, essa luta, afinal, reflecte apenas uma «natural resistência à mudança» e a meras «dificuldades em operacionalizar [já cá faltava o palavrão da ordem] um modelo abrangente dentro de um curto espaço de tempo». Curiosamente, esse parágrafo trai as verdadeiras intenções do modelo de avaliação, quando liga este último à domesticação geral dos trabalhadores da função pública. Pois: é isso que, de facto, está em causa.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: