APEDE


DESTA VEZ, O TEXTO DO LUIZ SARMENTO VAI MESMO COMPLETO

Posted in Educação por APEDE em 31/10/2009
De vez em quando, temos a sorte de tropeçar em textos que dizem tudo, e ainda por cima num excelente Português:
UMA FRACÇÃO DUMA FRACÇÃO
O modelo de avaliação de professores que proponho na mensagem anterior não é perfeito e não vai ser posto em prática. Eu próprio, ao relê-lo, encontro nele ingenuidades e incoerências. Não tenciono corrigi-las – quod scripsi scripsi – porque não afectam o documento nos seu propósitos essenciais, que são criar, por um lado, uma base de discussão do modelo actual e das alternativas possíveis e, por outro, um ponto de partida para outro debate que transcenda a questão do modelo de avaliação e do ECD.
Pela mesma razão não tenciono responder às críticas que me foram feitas, apesar da consideração que me merecem os seus autores e do mérito que reconheço a muitas delas.
Suponhamos, então, que o meu modelo era perfeito e que era aplicado. Ou que se descobria e aplicava um outro que fosse perfeito. Resultaria daqui uma melhoria evidente e imediata na qualidade dos professores?
Nem por sombras. Um bom modelo de avaliação é condição necessária para que tenhamos melhores professores, mas está longe, muito longe, de ser condição suficiente. Uma melhoria significativa da qualidade dos professores implicaria, logo na fase de recrutamento, que se fosse buscar às universidades os melhores graduados – competindo as escolas, para tal, com outras carreiras e com outras opções de vida, incluindo a emigração que nos está a privar, dia a dia, dos nossos jovens mais qualificados. A carreira docente precisaria, para atrair estes jovens, de ser muito mais atraente do que é hoje – quer em termos de remuneração, quer de estabilidade, quer de probabilidades de progressão, quer em prerrogativas – e destaco, de entre estas, a que mais afronta a tradicional inveja e o tradicional anti-intelectualismo dos portugueses: tempo livre para reflectir, estudar e adquirir o ascendente cultural que, mais do que qualquer outra coisa, confere autoridade aos professores. É esta, de resto, a moeda utilizada em todo o mundo, à falta de dinheiro, para pagar aos professores.
Se a carreira docente não for suficientemente aliciante para atrair os jovens mais qualificados, então qualquer modelo de avaliação, mesmo que perfeito, acabará por escolher apenas os melhores de entre os piores.
Mas a melhoria da qualidade dos professores não depende só da conjugação de um bom sistema de avaliação com um bom sistema de recrutamento. Há outros factores, tais como a qualidade da formação (quer inicial, quer contínua), a satisfação no trabalho (que implica a noção, tantas vezes ausente do trabalho dos professores, de que o que se está a fazer é útil e produtivo), o empowerment, o reconhecimento social, etc. Uma melhoria significativa da qualidade dos professores não é fácil de conseguir e não será já para amanhã.

Admitamos, porém, como hipótese, que conseguimos dotar o sistema de ensino de professores significativamente melhores que os actuais. Resultará isto numa melhoria correspondente nas aprendizagens?
Para responder a esta pergunta basta fazer o thought experiment proposto, salvo erro, pelo Ramiro Marques (se ele me estiver a ler, peço-lhe que me forneça o link para incluir aqui): trocar os alunos da melhor escola do ranking pelos da pior e ver os resultados ao fim de um ano lectivo. Concluiremos imediatamente que para a boa aprendizagem concorrem decisivamente a atitude que os alunos trazem para a escola, a acção ou inacção dos pais, as condicionantes socioculturais, etc. Uma política que vise melhores aprendizagens terá que actuar sobre todos estes factores e não apenas sobre a qualidade dos docentes.
Temos então que a avaliação dos professores, mesmo que perfeita, só parcialmente contribui para a sua qualidade; e que a qualidade dos professores, mesmo que excelente, só parcialmente contribui para a melhoria das aprendizagens. Mesmo que perfeita, a avaliação será sempre uma fracção duma fracção. Sendo imperfeita, é uma fracção menor.
Anuncia-se para breve um novo modelo de avaliação dos professores. Não espero dele que seja perfeito, até porque resultará inevitavelmente de um compromisso entre ideologias e agendas políticas diversas; mas espero que seja ao menos adequado, isto é: que contribua, ainda que imperfeitamente, para a melhoria dos professores enquanto profissionais (a sua melhoria enquanto funcionários interessa-me pouco); que distinga realmente, mesmo que apenas com a exactidão possível, os melhores professores dos piores; que, ao contrário do actual, premeie os melhores; que não dê azo a demasiadas injustiças, e que aquelas a que der azo não sejam gritantes. Para que um modelo de avaliação seja adequado exige-se, no mínimo, que não seja contraproducente.

Anuncia-se, também, um novo Estatuto da Carreira Docente. Também não espero dele que seja muito mais do que adequado; mas para ser adequado terá que premiar, em vez de punir como o actual, a opção dos jovens mais qualificados pela condição de professor.

O debate não terminará aqui, porque o modelo de avaliação e o estatuto, não sendo perfeitos mas apenas adequados, continuarão naturalmente a despertar contestações legítimas e exigências de aperfeiçoamento. Mas se modelo e estatuto forem suficientemente bons, deixarão o centro do debate e passarão para as suas margens, de onde nunca deviam ter saído.
E nesta altura não teremos chegado ao fim: teremos chegado ao princípio dum debate, este, sim, urgente: como melhorar o ensino (repito, o ensino) em Portugal? E aquando deste debate, não nos contentaremos com o meramente adequado: exigiremos o melhor. Não seremos modestos no pedir. Não queremos um ensino ao nível da média europeia: exigiremos um ensino ao nível dos melhores do Mundo.
– José Luiz Sarmento
(roubado do seu blogue, pois na Internet não há copyright)

(Porque o autor tem rosto)

Anúncios

6 Respostas to 'DESTA VEZ, O TEXTO DO LUIZ SARMENTO VAI MESMO COMPLETO'

Subscribe to comments with RSS ou TrackBack to 'DESTA VEZ, O TEXTO DO LUIZ SARMENTO VAI MESMO COMPLETO'.

  1. Lelé Batita said,

    O texto completo está aqui:http://leiturasapoio.blogspot.com/

  2. Mário Machaqueiro said,

    Pois, Lelé, foi daí que retirámos a versão, igualmente completa, que publicámos no nosso blogue.

  3. Lelé Batita said,

    MárioReferia-me ao texto da Proposta propriamente dita, texto demasiado longo para reproduzir (talvez) aqui.http://leiturasapoio.blogspot.com/2009/10/por-uma-avaliacao-de-professores-sem.htmlVale a pena ler todo, embora bastante extenso. Tem premissas muito correctas e termina com a inclusão de coisas absolutamente desconcertantes.

  4. Mário Machaqueiro said,

    Ok, Lelé. Esse que tu referes é outro texto, para o qual remetemos num "post" mais abaixo. Tem, de facto, algumas propostas desconcertantes que, a meu ver, constituem provocações subtis do Luiz Sarmento, nomeadamente a ideia de pôr os professores a fazer alguns dos exames do 12.º ano. Eu sei bem por que é que ele faz essa provocação. E tu também sabes.

  5. Lelé Batita said,

    Sim, Mário. Sei.Mas, ainda assim, é mau.Como se já não bastassem as muitas provocações e rebaixamentos a que o nosso ME nos tem vindo a sujeitar face à opinião pública!Se isto chega aos pais, vai certamente resultar em chacota!Sei que as intenções do José Luís são as melhores, mas este tipo de propostas é perigoso.Quanto a querer lançar o debate, o objectivo foi amplamente conseguido.Abraços e um bom domingo.

  6. Mário Machaqueiro said,

    LeléSim, eu compreendo e também partilho as tuas preocupações em relação à fragilização a que estamos sujeitos. Não vale a pena deitar mais gasolina para a fogueira. Mas não temos de recear que esta conversa chegue aos ouvidos dos pais. Todo o debate – pelo menos o blogosférico – que tem havido sobre assuntos educativos decorre sempre em circuito fechado. Não sei é se nos devemos congratular por isso…Um abraço e um bom resto de fim de semana


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: