APEDE


A primeira de todas as reformas: uma barrela no Ministério da Educação

Posted in Ministério da Educação por APEDE em 19/07/2010

Como é sabido, a APEDE  apresentou oportunamente uma proposta, que nos parece consistente e fundamentada, para uma reforma global do sistema educativo em Portugal.

Faltou, contudo, frisar a ideia de que, em Portugal, qualquer proposta que vise alterar, de raiz, as práticas do ensino, da avaliação dos alunos e da organização geral das escolas, com o objectivo de criar uma escola de qualidade e de exigência, uma escola capaz de responder, ao mesmo tempo, ao imperativo da integração social e à aquisição sólida dos saberes essenciais ao pleno desenvolvimento dos indivíduos, qualquer proposta que apresente, pois, este amplo desígnio está dependente de um factor básico: a reforma radical do próprio Ministério da Educação.

Sem uma limpeza profunda nesse Ministério, todos os bloqueios fundamentais às necessárias reformas permanecerão de pé, minando, sabotando e emperrando as transformações de que precisamos urgentemente.

Ora, esses bloqueios correspondem a pessoas muito concretas que ocupam lugares precisos nas estruturas internas do Ministério, pessoas cuja ideologia pedagógica responsável pelos maiores disparates das últimas décadas no sistema de ensino português continua a fazer lei. Tais bloqueios correspondem também a organismos cuja redundância burocrática ou cuja influência deletéria na definição das políticas nunca deixou de se fazer sentir, independentemente da cor partidária de quem ocupa a cadeira de Ministro. São elas e eles que detêm o verdadeiro poder no interior do Ministério, e, quando emergem em lugares de responsabilidade política – como no exemplo de Valter Lemos -, fica à vista de todos os malefícios que as suas cabecinhas são capazes de produzir. Contrariamente ao que alguns pretendem sustentar, muitas destas personagens foram formatadas por um certo modelo de «ciências da educação», e foi em nome das ideologias veiculadas por esse modelo que fizeram o seu currículo e a sua carreira – uma vez mais, o caso de Valter Lemos ilustra-o na perfeição, e só a ingenuidade ou a desonestidade intelectual poderão pensar que uma tal ideologia pedagógica, assente como está na hostilidade à figura do professor enquanto autoridade e enquanto transmissor do saber, foi totalmente estranha ao ataque contra os professores movido pela anterior equipa ministerial. 

Portanto, e antes de qualquer reforma ambiciosa, no Ministério o que é preciso é nada menos do que uma verdadeira purga ou, para estarmos mais perto do espírito do pós-25 de Abril, um saneamento global.

Um Ministro efectivamente reformista, interessado em identificar os principais bloqueios que não tardariam a minar todas as suas iniciativas se não fossem previamente removidos, deveria começar por encomendar a pessoas da sua máxima confiança um estudo exaustivo sobre toda a orgânica do Ministério, a fim de assinalar:

– os organismos onde pontificam os abencerragens responsáveis por coisas tão “brilhantes” como o Estatuto do Aluno, os programas da maioria das disciplinas, a concepção de boa parte dos exames, etc., etc.

– as estruturas administrativas ou pseudopedagógicas que contribuem para asfixiar a autonomia das escolas, para duplicar funções e tarefas, para produzir papelada – sob a forma de “estudos” e “sugestões” – cujo único destino é a prateleira, o arquivo morto ou o caixote do lixo;

– todo o pessoal que ingressou no aparelho ministerial por via do amiguismo e do nepotismo político-partidário, que não por um currículo indiciador de qualidade.

Concluída esta identificação, o mais profunda possível, teriam de ser criados mecanismos rápidos e expeditos para que toda essa gente fosse corrida do Ministério e para que todas as estruturas supérfluas – essas sim, queimando escusadamente o erário público – fossem imediatamente extintas.

Claro está que esta análise deveria também identificar as pessoas úteis e necessárias ao funcionamento eficaz do Ministério, aquelas que, pela sua lucidez, eficiência técnica ou simplesmente bom-senso, poderiam facilmente constituir aliados fundamentais para as reformas a desenvolver pela equipa propriamente política.

É duro o que aqui se propõe? Talvez. Mas, sem esta barrela prévia, qualquer conversa sobre as transformações no sistema educativo não passa de uma ocupação ociosa e de uma pura perda de tempo.

Anúncios

9 Respostas to 'A primeira de todas as reformas: uma barrela no Ministério da Educação'

Subscribe to comments with RSS ou TrackBack to 'A primeira de todas as reformas: uma barrela no Ministério da Educação'.


  1. Força Mário, esta ideia avançada com tanta lucidez e espirito crítico, é evidentemente a principal condição, a base “sine qua non” para que algo de positivo possa acontecer neste país no dominio da educação. Mas não esqueçamos também a outra face (oculta) da questão. O verdadeiro ministro da educação nos últimos anos tem sido evidentemente o Sr. Sousa (nem consigo chamar-lhe engenheiro) e as ministras e seus incompetentes secretários de estado nunca passaram de meros comissários políticos colocados na linha da frente para fazer o trabalho sujo. É absolutamente inacreditável o profundo desprezo que esses cérebros iluminados nutrem pelo próprio sistema educativo onde desenvolvem as suas nefastas actividades. A queda de eficácia da máquina educativa na sequência dessas medidas atrabiliárias é algo em que nem sequer reflectem. E cada dia lembram-se de mais uma como a mega-asneira dos mega-agrupamentos que entretanto, como era tão funcional, ficou-se por alguns casos e desistiram dos outros sem se darem ao trabalho de apresentar justificações ao país.

    • filipe said,

      Claro!

      Se eles próprios não tiveram êxito escolar na sua idade escolar…

      O que lhes restava senão pseudo licenciaturas, mestrados e doutoramentos em «paraísos educacionais» ?

      Gerações e gerações enganadas e que só lhes resta a cunha ou o partido!

  2. Mário Machaqueiro said,

    Caro José,

    É verdade o que dizes sobre as responsabilidades de Sócrates, mas eu diria que, no caso do Ministério da Educação, tem havido sobretudo uma interacção perversa entre o pessoal político e o pessoal «técnico». O primeiro vai e vem, com as mudanças de ciclo político, e o segundo vai ficando e, ao ficar, vai determinado a natureza profunda do Ministério e das suas políticas, um pouco à maneira do que se passava na série “Yes, Minister”.
    Seja como for, nem todos os erros e aberrações que têm caracterizado o ensino neste país podem ser assacados às equipas políticas que passam pelo Ministério e aos respectivos primeiros-ministros. Um exemplo: aposto que foi um desses “geniais” técnicos pedagógicos que se lembrou de dar aos exames orais de língua estrangeira a duração de… 25 minutos! Só um cretino completo, que desconhece em absoluto o que se passa numa oral, é que pode imaginar que é necessária uma tortura de 25 minutos para um júri de exame se aperceber dos reais conhecimentos dos examinados em Inglês, Francês ou Alemão. Quando falo em correr com um certo tipo de gente do Ministério, é nos fulanos que congeminam estas idiotices que estou a pensar.

  3. Fernando Rodrigues said,

    Completamente de acordo, Mário. Há que varrer esta corja.
    Um abraço
    Fernando Rodrigues

  4. Madalena said,

    Não estou a conseguir aceder à prposta. Dá sempre erro. Agradecia que colocassem novamente…obrigada.

  5. Maria B. said,

    Completamente de acordo. E o tempo urge.

  6. filipe said,

    Mário e colegas: esse pessoal técnico tem minado o país e as futuras gerações. Há que alertar e denunciar as políticas das « ciências ocultas da educação» !


  7. […] Paulo Guinote chama a atenção, neste “post”, para um problema a que já nos referimos por diversas vezes. Existe, no Ministério da Educação, um tipo de gente daninha que se mantém por lá […]


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: