APEDE


Sobre a insustentabilidade do modelo económico vigente

Posted in (Des)governo,Economia por APEDE em 19/10/2010

Num “post” mais abaixo, o sempre lúcido José Luiz Sarmento fez algumas observações bastante pertinentes. Sustenta ele que, tal como foi demonstrado num passado que Karl Polanyi soube dissecar tão bem, o mito dos mercados inteiramente livres é intrinsecamente insustentável, dadas as suas contradições internas e a sua mera inoperacionalidade. O momento actual vem mostrá-lo, uma vez mais, da forma mais eloquente e dramática. Releva da alucinação defender que mercados financeiros incontrolados possam ditar as regras da política económica, traduzidas em austeridade, em reduções salariais, em desemprego maciço, e imaginar que deste cenário possa brotar algum crescimento económico “alavancado” (como agora se diz) em exportações. Mas exportar para onde e para quem?

Teria graça, se não fosse socialmente trágico, ver o nosso governo a regozijar-se, na proposta do orçamento para 2011, com a perspectiva de a perda drástica do poder de compra da grande maioria dos portugueses significar uma redução da necessidade de importações. Imagine-se que, perante a crise, todos (ou quase) os Estados da zona euro se lembram de celebrar a mesma solução! Onde fica o espaço para o mirífico aumento das exportações que nos permitirá sair do buraco se todos estiverem a pensar em reduzir as importações? E não é isso mesmo que está a acontecer?

Daí a insustentatibilidade do modelo de que o José Luiz Sarmento fala. O que se está a aproximar é de tal forma irracional – o caminho em uníssono para a recessão e a depressão económica – que o modelo vai acabar por tropeçar e implodir em si mesmo.

O problema – e o José Luiz também toca neste ponto – é saber como se vai dar essa implosão. Ela tanto pode ocorrer por via da pressão que as lutas dos trabalhadores exercerem sobre os actuais governantes europeus, ou pode dar-se mediante a emergência de movimentos de extrema-direita capazes de capitalizar o descontentamento popular. Ou seja: pode apresentar um sentido emancipatório ou pode significar um retorno ao passado mais tenebroso, e nunca verdadeiramente superado, da Europa.

O mais triste de tudo isto é constatar a inquietante persistência de uma peculiar estupidez europeia, que não consegue extrair e reter as mais importantes lições da sua própria história. Nem as lições recentes – em vez de se colocar uma rédea firme nos mercados financeiros que conduziram à crise económico-financeira, os mesmos são deixados inteiramente à solta e a fazer chantagem com os Estados -, nem as lições que o século XX nos devia ter legado…

 

 

Anúncios

3 Respostas to 'Sobre a insustentabilidade do modelo económico vigente'

Subscribe to comments with RSS ou TrackBack to 'Sobre a insustentabilidade do modelo económico vigente'.

  1. amarques1966 said,

    Olá, Mário.
    Realmente, não tem havido tempo nem para “chorar no muro das lamentações” como tu referes no mail. Não que isso adiante alguma coisa…
    Como dizes e muito bem, o problema europeu parece não ter solução à vista. Assim como é difícil as pessoas mudarem, por vontade própria, de comportamentos e atitudes, mais difícil é essa mudança acontecer a um nível nacional e continental. O ideal europeu de construção de uma sociedade equilibrada, justa e prospera -assente na riquíssima herança cultural dos países que a compõe- está, pelo menos por agora, adiado. A nível europeu, a tecnocracia e a burocracia há muito substituíram a ideologia. Não existe por isso um desígnio europeu, assim como também não existe aliás, um desígnio nacional. E sem isso, nada feito. Criar desígnios claros e credíveis é o papel dos bons políticos, e estes últimos vão escasseando de sobremaneira… Também escasseia -e isto é quanto a mim muito mais grave- a capacidade dos cidadãos de escolherem bons políticos. Bem sei que a oferta actual não é muita mas existe uma tendência muito fácil para o povo português se deixar embalar por histórias cor de rosa de promessas e miragens. Por isso estou céptico e cada vez mais crente que só com um “estalo” valente, os portugueses (e até os europeus, em geral) comecem a acordar. Será que esse “estalo” vai ser a ruína anunciada do “estado social”? É possível. Este assunto é desagradável e ninguém quer falar ou pensar nele, por isso deixámos as coisas chegar a este ponto. Os momentos de crise profunda foram sempre grandes oportunidades de aprendizagem… Da grande depressão americana veio a prosperidade económica no novo continente, da destruição pela guerra da Alemanha e do Japão, veio também o “milagre” económico e social para esses países, para citar os casos mais gritantes. A história é assim mesmo; fluxos e refluxos colectivos em que alguns -talvez mais conscientes- conseguem vislumbrar o que se passa, talvez até saibam explicar o porquê daquilo que se passa mas têm inevitavelmente que se confrontar com a impossibilidade de inverter os acontecimentos. É que as mudanças têm de ser colectivas mas primeiro, têm de ser operadas ao nível da consciência individual de cada um e isso é extremamente difícil de realizar. Alertas, diagnósticos e análises sobre a situação sempre abundaram. A maioria não quis nem quer saber… Será que só “ao estalo” (peço desculpa pela expressão) vão aprender?. Até sabermos isso, quem tiver olhos para ver, que veja e quem tiver ouvidos para ouvir, que ouça!
    E quando acordarem, vão acordar mal dispostos e com predisposição para fazer asneiras?…

    Abraço para todos aí da APEDE

  2. Mário Machaqueiro said,

    Pois, António, isso que tu dizes é que me preocupa. Será que o pessoal só vai acordar quando a corda na garganta estiver a apertar até ao sufoco e a cadeira onde põem os pés já tiver tombado? Será que é sempre preciso cair até ao mais fundo do abismo para, finalmente, se adquirir a tão necessária «consciência social e política»? Será que é mesmo impossível aprender um bocadinho – um bocadinho que seja – com o passado sem estarmos condenados a reproduzir todos os seus erros?
    Abraço forte


  3. Perante a extrema lucidez das análises dos nossos amigos, só posso acrescentar o meu aplauso. Aliás, há muito que vozes independentes vinham alertando para o absurdo abismo para que se caminhava, ao pensar que se pode aumentar infinitamente as produções e expandir os mercados, e esperar que isso seja o melhor dos mundos.Recordo só que na grande depressão americana, muitas empresas eram encorajadas a destruir parte da sua produção para evitar a queda dos preços, embora houvesse largas camadas da população a passar fome. Não sei se estaremos condenados ao famoso binómio do Stop and Go, mas uma visão mais humanista, mais sensata e mais honesta do modelo económico seria indispensável.Depois, há de facto o perigo da emergência de movimentos de extrema direita. Fiquei apreensivo ao ver uma reportagem sobre uma localidade alemã onde um grupo de nazis incendiou uma residência para emigrantes.Mas o mais grave não foi só isso.O que mais me indignou foi o facto de os habitantes locais terem assistido a tudo com naturalidade e até terem batido muitas palmas aos defensores da “raça”. Creio ser um elucidativo sinal dos tempos!!!!


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: