APEDE


A grande ofensiva do capitalismo financeiro global (2) – Um texto de Jorge Martins

Posted in A construção do capitalismo actual por APEDE em 13/11/2010

Entretanto, tudo isto é acompanhado de uma forte doutrinação ideológica: procura mostrar a globalização económica e financeira como uma inevitabilidade decorrente da globalização tecnológica; equipara as economias nacionais às domésticas, alertando contra os défices orçamentais (que seriam resultado dos elevados custos dos benefícios sociais); procura desacreditar os serviços públicos e a função pública (descrita como parasitária e privilegiada), ao mesmo tempo que exalta a gestão empresarial privada. Por seu turno, na esfera dos valores, glorifica o individualismo e, pior que tudo, desacredita o idealismo, promovendo o pragmatismo sem princípios, o oportunismo sem escrúpulos e o mais despudorado cinismo. Também aqui a inevitabilidade surge como “pedra de toque”, expressa na recuperação da ideia de que existe uma “natureza humana” imutável e perversa. No fundo, o que é importante é ser bem sucedido, seja lá como for. Ao mesmo tempo, o espaço público vai sendo ocupado por economistas da escola neoliberal, que são apresentados como técnicos de uma ciência positiva. Querem criar a ideia da economia como uma ciência exacta, independente das ideologias e escolhas políticas, e dos economistas como simples tecnocratas, que se limitam a interpretar os dados económicos e a fazer previsões a partir daí. Entretanto, ao nível da gestão, a eficiência e a eficácia são apresentadas como valores absolutos em detrimento da democracia e da participação dos trabalhadores e das suas organizações, vistas como inimigas das primeiras.

Por outro lado, para conter o descontentamento dos trabalhadores pela contenção salarial e pela perda de regalias, promove-se o consumismo desenfreado (com recurso a crédito barato).

Simultaneamente, globaliza-se o “circo”, cobrindo exaustivamente grandes acontecimentos globais (sejam Jogos Olímpicos, Mundiais de futebol, concertos de música “pop”) ou, mesmo, explorando globalmente tragédias (como o funeral da princesa Diana ou a saga dos mineiros chilenos). Generalizam-se as telenovelas “de cordel”, pululam as revistas de mexericos e, com elas, as “celebridades” da treta, numa espécie de “star sistem” rasca. Surgem programas de entretenimento que estimulam o “voyeurismo” e promovem a estupidificação das massas. A juventude é particularmente visada: não é por acaso que se incentivam as praxes, as “queimas da fitas”, os festivais de música ou os jogos de vídeo.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: