APEDE


A caminho da demolição completa dos direitos sociais de quem trabalha (e longe das alternativas)

Posted in E que alternativas? por APEDE em 27/03/2011

Em dois “posts” (este e este) que têm tanto de didáctico como de brilhante, o blogue «Ladrões de Bicicletas» explica como o PSD coelhoso e o PS socratino (ou a dita “esquerda” que capitulou completamente diante dos interesses da banca e dos grandes grupos económicos) se preparam para demolir o que resta dos direitos sociais dos trabalhadores e para nos fazer regredir a níveis de miséria de século XIX – com a diferença paradoxal de que agora temos muita «tecnologia».

Votem no PSD de Passos Coelho, votem, e verão o que vos espera (se votarem no PS de Sócrates, o resultado não será substancialmente diferente).

Há quem esteja a apelar a uma convergência do Bloco de Esquerda e do Partido Comunista para que dela saia, pelo menos, um programa comum que se apresente como alternativa. Tendo em conta o passado recente desses dois partidos, parece-nos que esse apelo vai cair (já caiu) em saco roto.

Mas há algo nesse apelo que faz sentido. Os partidos de esquerda em Portugal têm a obrigação, moral e política, de não serem apenas “do contra” e de apresentarem uma alternativa global de governação consistente e credível. Não basta afirmar, como Louçã ou Jerónimo de Sousa têm feito até à exaustão, que os serviços públicos têm de ser salvaguardados, que a Saúde e o Ensino têm de ser gratuitos para todos os portugueses, que as pensões de reforma têm de ser aumentadas, etc., etc. É preciso mostrar, com as continhas todas feitas, como é que tudo isso pode ser financiado no quadro da crise económico-financeira actual.

E é também necessário que esses dois partidos mostrem como, estando no governo, enfrentariam as exigências e as chantagens de Bruxelas e de Angela Merkel. Como é que conseguiriam compatibilizar um programa de defesa dos direitos sociais com os níveis actuais de endividamento do Estado, das empresas e dos particulares? Como é que conciliariam tal programa com uma situação em que o Estado se vê forçado a financiar-se junto de uma banca europeia que lhe impõe juros incomportáveis? É viável uma política de esquerda que rompa com esta lógica sem que o país se afunde na bancarrota?

Em suma, o BE e o PCP têm a obrigação, se quiserem que os eleitores os levem a sério, de se imaginarem, não como simples partidos de protesto mais ou menos inconsequente, mas como partidos de governo. Mesmo que a probabilidade de  chegarem à governação do país seja, para eles, uma miragem inatingível. Enquanto esses partidos não fizerem esse trabalho, enquanto toda a gente desconfiar que a pior coisa que lhes poderia acontecer seria, de facto, chegarem ao governo – porque aí estariam confrontados com toda a sua inconsequência -, o BE e o PCP continuarão a anos-luz de se constituírem como alternativa para este país.

3 Respostas para 'A caminho da demolição completa dos direitos sociais de quem trabalha (e longe das alternativas)'

Subscribe to comments with RSS ou TrackBack para 'A caminho da demolição completa dos direitos sociais de quem trabalha (e longe das alternativas)'.


  1. Segundo esta análise com a qual concordo plenamente, terá de seguir-se um corolário incontornável. Estando completamente armadilhada a via partidária tradicional, com as eventuais saídas capturadas pelas cliques habituais, a única atitude sã e digna que nos resta é votar macissamente NULO!!!! Não nos devemos alhear do acto escrutinador (é o que eles adorariam) nem votar branco porque alguém poderá sempre pôr lá uma cruzinha onde der jeito. Vamos todos votar NULO para mostrar como rejeitamos as pseudo-alternativas para onde os mesmos de sempre se afadigam em nos conduzir mais uma vez!!!!

  2. Mário Machaqueiro said,

    Pois, Zé. Mas já sabes que o povão vai lá colocar os mesmos de sempre: Dupont e Dupond.


  3. Entretanto dizem-nos que o sr. Sousa foi novamente reeleito para sec. geral do maior partido com uma percentagem superior a 90%. Maravilha! Mas vendo com mais atenção ficamos a saber que, afinal de contas, o pseudo-engenheiro foi de facto eleito por cerca de 20% dos membros do partido, donde se conclui que a esmagadora maioria dos socialistas quer distância do animal feroz. Se isto é assim dentro do partido….


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: