APEDE


Porque há vida para além das rotineiras “acções de luta”

Posted in A esperança é a última a morrer por APEDE em 19/05/2011

Embora já tenhamos estado mais convictos de que, em Portugal, se pode fazer mais e melhor, aqui fica um texto que “cola bem” no nosso “post” anterior:

Só a permanência dum protesto que perturba a ordem, que seja impossível de ignorar, assegura um efectivo desafio a qualquer regime. Foi assim que começaram todas as revoluções que têm ocorrido no norte de África e Médio Oriente. É assim que hoje, um pouco por toda a Espanha, se tenta abalar o sistema, exigindo-se uma Democracia Real Ya. Em Portugal, continuamos a entretemo-nos com greves e manifestações pontuais, vistas com desdém por aqueles que detêm o poder. Pois eles sabem que no dia seguinte todos voltarão a representar o papel que lhes foi atribuído. Vêem com satisfação como os portugueses se preparam para votar no dia 5 de Junho, obedientemente, naqueles que pretendem aumentar a pilhagem do nosso esforço individual e recursos colectivos. Julgam-nos passivos, amorfos, descrentes na possibilidade duma ruptura libertadora. Sim, é verdade, mas não será sempre assim. Basta que um primeiro pare, e permaneça. Rapidamente outros juntar-se-ão.

3 Respostas to 'Porque há vida para além das rotineiras “acções de luta”'

Subscribe to comments with RSS ou TrackBack to 'Porque há vida para além das rotineiras “acções de luta”'.

  1. Leitor said,

    “revoluções que têm ocorrido no Norte de África e Médio Oriente”

    Revoluções?
    Em que países exactamente?
    Chamam revoluções aos movimentos de revolta e às insurreições que levaram a mudanças de governo no Egipto e na Tunísia, mantendo a aliança estratégica com os EUA e Israel?

  2. Mário Machaqueiro said,

    Leitor,

    Este texto, que não é nosso, vale aqui sobretudo pelo apelo contra o conformismo e o “rotinismo” das “formas de luta” em Portugal, em contraste com o que se vai passando noutros países. Mas concedo-lhe alguma razão no tocante à avaliação do que se está a passar no Egipto e na Tunísia. É ainda cedo para se falar de revolução nesses países. Mas também é insensato negar que um abalo importante, e absolutamente inesperado, ocorreu nessas regiões, ainda para mais na base de movimentos de massas que, até ver, parecem genuínos (ainda que acompanhados, pontualmente, por coisas medonhas como esta:http://www.cbsnews.com/video/watch/?id=7364550n).

    • maria said,

      …e uma boa forma de aumentar o lucro da poderosa indústria de guerra e criar postos de trabalho na Germânia, França, USA… Não tivessem fuel oil e lá se ía a solidária iniciativa dos católicos, apostólicos e romanos!


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: