APEDE


É só para anestesiar?

Posted in A esquerda no seu labirinto,De olhos bem abertos,Sindicatos por APEDE em 18/09/2011

Já referimos aqui várias vezes o papel de contenção/controlo/diluição das lutas sociais que, em Portugal (e não só), tem caracterizado a esquerda-que-temos e o sindicalismo-que-temos. Lamentamos ter de regressar ao assunto e bater na mesma tecla, mas a evidência actual é tão deprimente que não podemos evitá-lo.

É verdade que, nos tempos actuais desta crise fabricada, o mundo laboral parece paralisado por um misto de impotência e de medo – dois sentimentos pouco propícios para incendiar revoltas.

Mas, mesmo assim, será pedir demais a correntes políticas e a organizações historicamente forjadas em lutas sociais muito além dos gabinetes parlamentares e dos corredores ministeriais que façam um esforço, por tímido que seja, para agitarem as pessoas em lugar de as anestesiar ainda mais?

Aviso à navegação (e a certos “navegadores” disfuncionais): quando falamos de agitar não estamos, naturalmente, a pensar em manifestações folclóricas para preencher calendário.

Estamos a pensar em iniciativas muito mais exigentes, feitas nos locais de trabalho, para organizar os trabalhadores no combate por direitos elementares que estão a ser sistemática e metodicamente destruídos.

E quando falamos em iniciativas nos locais de trabalho, que fique claro que não estamos a pensar em reuniões sindicais rotineiramente marcadas para que apenas poucos compareçam (já que a maioria, por descrença fundada, há muito desertou desse género de “acções”).

Os sindicatos e os partidos de esquerda – os que têm assento na Assembleia da República – estão hoje confrontados com um dilema:

vão arriscar politicamente e mobilizar os recursos que têm (e que não são escassos) para tentar reconquistar capital e prestígio junto dos trabalhadores e dos desempregados deste país, procurando mobilizá-los para lá da rotina e do faz-de-conta, ou vão preferir jogar pelo seguro, optando por formas moles de fazer política, concebidas apenas para lhes garantir a sobrevivência e o pequeno tacho?

Notem que uma pergunta como esta, no momento actual, não é de somenos importância.

(Aguardamos as reacções iradas dos funcionários do costume…)

4 Respostas to 'É só para anestesiar?'

Subscribe to comments with RSS ou TrackBack to 'É só para anestesiar?'.

  1. funcionario irado do costume said,

    Cheio de vontade de aprender, com tão subidas individualidades da luta dos trabalhadores em geral, e dos professores em particular, agradecia que a Apede informasse qual ou quais as iniciativas que realizou, ou vai realizar, nos últimos ou nos próximos tempos, com vista a mobilizar os professores para lá da rotina e do faz-de-conta.
    É que, apesar de irado-do-costume, estou ansioso por aprender com quem sabe mais de como mobilizar melhor para a luta.

  2. Mário Machaqueiro said,

    Já? És rápido, pá!


  3. Para o “Funcionário irado do costume”,

    Antes disso… gostava que me contasse como correu o dia 16.

  4. fernanda said,

    Incendiemos, pois, a revolta!

    Avante!

    A revolução avança a todo o vapor ou morre!


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: